10 de fevereiro de 2014

Praça situada na comunidade de Jundiaí, próxima a Escola Agrícola se encontra abandonada



Foto: Jair Macêdo

A equipe do site Cidadão Macaibense, realizou visita no local, flagramos os quiosques fechados obras inacabadas e um total descaso em relação a limpeza e manutenção do espaço. Vale destacar que a construção da praça foi uma a ação da gestão municipal com recursos do Governo Federal, porem nunca foi totalmente pronta, tampouco realizado algo que estimule o uso e visitações da população. A obra está situada ao lado de um importante espaço de pesquisa e difusão de tecnologias, considerada unidade acadêmica da UFRN, conhecida como a Escola Agrícola de Jundiaí. Além disso, a praça foi construída no espaço da histórica e centenária arvore popularmente conhecida como: Baobá. No Brasil existem poucas árvores de Baobá, que foram trazidas pelos sacerdotes africanos e foram plantadas em locais específicos para o culto das religiões africanas. 

É uma árvore que chega a alcançar alturas de 5 a 25m (excepcionalmente 30m), e até 7m de diâmetro do tronco (excepcionalmente 11m). Destaca-se pela sua capacidade de armazenamento de água dentro do tronco, que pode alcançar até 120 000 litros. Estas árvores desenvolvem-se em zonas sazonalmente áridas, e são árvores de folha caduca, caindo suas folhas durante a estação seca. Para algumas crenças de matriz africana é considerada uma árvore sagrada, ligada a sentimentos religiosos e seu interior abriga espíritos. Apesar disso, foi observado pichações no tronco do Baobá. Fica aqui, uma orientação para as autoridades da gestão municipal, que tal aproveitar todo esse potencial histórico e cultural, inserir na agenda governamental uma parceria com moradores da comunidade e Escola agrícola de Jundiaí e prefeitura na construção de roteiro turístico rural, possibilitando um processo de educação e preservação desse patrimônio. 

É preciso ter sensibilidade e visão de desenvolvimento sustentável para pensar a cidade de forma holística. Conhecer a cidade seria um bom começo para justificar e encher a praça de gente, conhecimento e cultura.

Redação
Cidadão Macaibense