14 de março de 2014

Artigo: Script requentado e manjado



Nos últimos dias, os ainda interessados assistem ao repeteco de uma novela que, há quase 25 anos, é encenada, no Brasil, pelo PDMB, um dos maiores partidos de nosso país. Em ano de eleições presidenciais, o manjado script tem audiência e leitura garantidas nas colunas e páginas de jornais, blog e afins que alimentam determinado modelo de exercício de política. E por ele são alimentados.

O enredo se desenrola nas suas já conhecidas quatro fases: na primeira, alguns atores-líderes começam a divergir do Executivo que apoiam (e apoiaram, participaram e sustentaram todos os mandatos presidenciais pós 1989) e fabricam uma crise, ameaçando com uma convenção para (re)discutir o apoio ao candidato a presidente daquele ano. Na segunda, a fase mais aguda e animada da crise, derrotam projetos do governo no Congresso, se esmeram em caras e bocas para as câmeras, fazem discursos que logo ganham as manchetes dos jornais. Daí chega-se à terceira fase, quando entram em cena outros atores-líderes, prontos, capacitados e disponíveis para resolver a crise e intermediar o diálogo entre os situacionistas com pití oposicionista e o Executivo.

Uma rápida "googlada" nos revelará dezenas de páginas que bem resumem esse script que já dura 25 anos. Os capítulos encenados agora em 2014 (Eduardo Cunha ameaça convocar convenção do PMDB para retirar apoio a Dilma) são iguais aos de 2010 (PMDB adia formalização do apoio à candidatura da petista Dilma Rousseff), tão semelhantes aos de 2006 (PMDB adia convenção para escolha do candidato à Presidência) e aos de 2004 (Reunião da Executiva marcada para amanhã pode adiar Convenção do PMDB), em tudo idênticos aos de 2002 (PMDB poderá adiar convenção do dia 15), e muito parecidos com os de 1998 (PMDB adia convenção para 15 de setembro). E a mesma novela foi encenada em 1994 (Quércia financia convenção-espetáculo).

Atualmente vivemos uma transição entre a segunda e a terceira fases da versão 2014. Mas já se vislumbram cenas da quarta fase, o grand finale, quando tudo volta ao normal e os novos cargos serão distribuídos entre quem fabricou as crises e os que a resolveram.

Até quando vamos assistir o repeteco deste enredo?  Até quando a sociedade se conscientizar e reagir, alterando a correlação de forças que aprisiona a política brasileira. E eu espero, e trabalho, para que seja o mais rápido possível.

Por Fernando Mineiro
*Deputado estadual pelo PT/RN