7 de abril de 2014

“NÃO MATE O JEGUE!”

Indignado com a atitude do promotor Sílvio Brito, da Promotoria de Apodi, de propor carne de jumento na alimentação de presos do Rio Grande do Norte, o funcionário público e promotor de eventos beneficentes Francisco de Assis Teixeira Ferreira, conhecido popularmente por Dotorzinho do Araçá, de 45 anos, residente no município de Macaíba, emite sua opinião em defesa do animal.

Pai de cinco filhos, sendo quatro homens e uma mulher, o “advogado do jumento” como o próprio intitula-se, diz que o animal não deve ser sacrificado para alimentar nenhum ser humano, principalmente criminosos. “Jesus vai voltar e vai precisar do jumento para novamente ser guiado por ele”, enfatiza.
 
Via Churrasco do Poeta