27 de julho de 2014

“A Botija – A Bolsa da Família Alves” Porque o RN (e o Brasil) não pode crescer

O escritor Paulo Augusto esteve no ultimo sábado (26), em Macaíba, participando do Sarau Poético, organizado pelo Profº Costinha em sua residência.  Na ocasião Paulo contou um pouco de sua carreira e presenteou o blog Cidadão Macaibense, na pessoa de Maxson Savelle, com um exemplar do livro: A Botija – A Bolsa da Família Alves.

“Para contar os mais de 50 anos de história da família, que começou com o ex-governador Aluízio Alves, os autores (Paulo Augusto e João Eudes) fizeram um trabalho de mais de 20 anos de pesquisa. Pelo menos, é o que conta Paulo Augusto. “Faz muito tempo que trabalhamos com essa forma de jornalismo, que é de denuncia aos grupos políticos. Começamos em Macau e lá conseguimos tirar do poder alguns que foram, comprovadamente, vigaristas”, afirmou Augusto.

“Eles conseguiram tudo que tem hoje trabalhando dentro da Lei. Foi um ato jurídico perfeito. Por isso, chama tanta a atenção. Não há no Brasil, na América Latina, nenhuma outra família que tenha ficado no poder tanto tempo e de forma tão unida”, analisou Eudes.

Para exemplificar o que diz, o escritor contou o caso do ministro da Previdência Social, Garibaldi Alves Filho, que estava afastado do Senado, mas comandava três senadores: o pai, Garibaldi Alves; o amigo, Paulo Davim; e o ex-adversário político, o presidente nacional do DEM, José Agripino.

Além de Garibaldi Filho, o livro conta a história também de Aluízio Alves, de Agnelo, de Henrique Eduardo (o pré-candidato da família ao Governo em 2014), Paulo Roberto (presidente do Tribunal de Contas do Estado), Walter (filho de Garibaldi), Carlos Eduardo (prefeito de Natal) e Felipe (vereador). Cita os casos, também, dos “agregados”, como o deputado José Dias, cunhado do ministro Garibaldi.

Vendido apenas no circuito alternativo da literatura potiguar, “A Botija” já conseguiu números expressivos. Afinal, já teve mais de 3 mil exemplares vendidos em cerca de cinco meses de circulação – hoje, o principal ponto de venda é a calçada do Café São Luiz, na Avenida Princesa Isabel.” Portal JH.

Escritor Paulo Augusto e Maxson Savelle (Adm do blog C.M.)