30 de julho de 2014

Eleitor quer saber de propostas e não de apoios

Fica combinado assim: a partir de agora as assessorias de campanhas dos candidatos a governador não mais farão releases falando sobre apoios políticos, ilustrados com aquelas já conhecidas fotos de papagaios de pirata. Não, o eleitor quer saber dos candidatos as propostas de governo.

O cidadão-eleitor que paga seus impostos quer saber, por exemplo, o que os candidatos têm para apresentar para a segurança pública, para a saúde, para a educação, e não que prefeito tal ou vereador fulano anunciou o seu apoio ao candidato sicrano. O que isso significa para o cidadão? Nada!

Veja o caso do Rio Grande do Norte, por exemplo, na segurança pública, caro leitor. O estado, segundo o Mapa da Violência 2014 divulgado pela Unesco, subiu do 24º lugar no ranking dos estados mais violentos no Brasil, que ocupava em 1998, para o 14º lugar em 2012. Em Natal, capital potiguar, o número de assassinatos quase que quadruplicou nos últimos 10 anos, segundo o relatório.

A saúde pública é um caos. Idem a educação. E aí vem os candidatos falar de apoios. O mesmo do mesmo. Ora,ora, ora. Num estado que é uma verdadeira massa falida, os candidatos estão mais preocupados em ter apoio de prefeitos e lideranças políticas do que com a situação que vão encontrar pela frente. E olha que todos os dias sai na imprensa escrita, falada e televisada, e na internet (portais, blogs e redes sociais) notícias de como está a (in) segurança pública, a saúde pública e a educação pública. Mas, com tudo isso, tome releases de apoios políticos. Será que isso vai resolver o problema das pessoas? Sabe de nada inocente!!!

Portanto, se os candidatos querem mesmo chegar ao povo, discutam suas propostas, debatam em público, procurem se inteirar da população sobre quais os maiores problemas a serem enfrentados por um governo. Aí sim, é possível que conquistem o apoio verdadeiro, que é o do povo. De resto, só serve pra encher linguiça em releases distribuídos à imprensa que muitas vezes vai a lata do lixo.

A conferir!
Coluna do Barbosa - Nominuto