30 de setembro de 2014

João, Lavô e Jajá, versão 2014


Por Carlos Alberto - Nominuto
Os mais jovens certamente não lembram, mas já devem ter ouvido falar. Os mais velhos vão se lembrar. Na campanha de 1986 o candidato ao governo do Rio Grande do Norte era João Faustino – já falecido – tendo como candidatos ao Senado José Agripino Maia e Lavoisier Maia, então marido de Wilma de Faria, hoje vice-prefeita de Natal e candidata ao Senado com o apoio do presidente da Câmara, Henrique Alves, candidato a governador nas eleições de 2014.

Pois muito bem, caro leitor. Nestas eleições parece que 1986 está se repetindo. Nas eleições daquele ano, João Faustino disputava o governo do estado com Geraldo Melo. Sabedores de que Faustino não crescia nas pesquisas, ao contrário, só caia, Agripino e Lavô, como é conhecido Lavoisier Maia, trataram de intensificar suas campanhas no interior isolando João Faustino em Natal. Moral da história: Geraldo Melo com apoio dos Alves se elegeu governador.

Agora, é Henrique que começa a isolar a sua candidata ao Senado. Wilma vem caindo nas pesquisas de intenção de voto. Já há várias semanas ela deixou de figurar em todas as pesquisas como líder dando o seu lugar a sua mais forte concorrente, Fátima Bezerra. Isso tem levado Henrique Alves a subir em palanques de apoiadores que ao mesmo tempo lhe apoiam também apoiam Fátima Bezerra, candidata ao Senado de seu principal oponente na corrida sucessória, Robinson Faria.

Não sem razão. Henrique Alves sabe que como Wilma vem despencando nas pesquisar corre o risco de levá-lo junto. ou seja, seria o abraço dos afogados que tanto se tem falado. Para salvar a sua pele melhor deixar que seus apoiadores peçam voto pra Fátima Bezerra. Nesta reta final de campanha faltando apenas seis dias para o pleito é hora de salvar a pele.

Contudo, Henrique corre um sério risco. Se a campanha for a segundo turno e Wilma não se eleger senadora, como espera, o peemedebista corre o risco da guerreira lavar as mãos sobre a sua candidatura. Fato é que neste caso o voto casado está descasado. Os fatos comprovam o que estou dizendo, por mais que o marketing de Wilma de Faria queira transparecer que os Alves estão com ela, colocando até o ministro Garibaldi, de forma constrangedora, para pedir votos pra ela.

Aliás, sobre isso, tenho observado que Garibaldi passou a se dedicar mais a campanha de Walter Alves, seu filho, a deputado federal. Certamente que os bacuraus – como são chamados os eleitores dos Alves – devem está adorando isso.
A conferir!