27 de outubro de 2014

A VITÓRIA!

Reflexões - Por Ionara Nunes

Enfim, depois de tanto sangue, suor e lágrimas, ela venceu. Ninguém foi mais merecedor desse resultado que ela. Essa mulher foi ultrajada das formas mais torpes por famosos e anônimos. As demostrações de ódio cresciam em efeito cascata e gente que não tinha opinião formada, por um impulso de querer ser da "onda", adquiria uma macabra necessidade de xingar, agredir, humilhar e desqualificar alguém que apenas estava tentando, como todos nós, estamos também tentando.

A mídia amaldiçoou essa mulher das formas mais insanas possíveis, o país se dividiu em pobres e ricos, negros e brancos, homens e mulheres, progressistas e reacionários e quem teve a coragem de escolher seu lado e defendê-lo, pagou um preço alto, mas nenhum tão alto quanto o dela, o dela foi alto demais. Essa senhora simples de sotaque mineiro foi chamada de assassina, terrorista, bruxa, feia, cachorra, questionaram sua sexualidade, criaram factoides, acusações falsas, tentaram um impeachment, a agrediram na frente de outros chefes de Estado, enfim, a violência foi imperativa.

Com relação a isso tenho uma opinião muito particular: para governar estava de um lado um homem, rico, bonito, charmoso, casado com uma linda mulher, herdeiro das oligarquias... de outro uma mulher, idosa, gorda, com sotaque roceiro, divorciada, oriunda da esquerda, tendo uma herança de militância armada... foi aí que nossos mais íntimos preconceitos sociais vieram à tona... como uma avalanche...

O machismo de muitos que não suportam ser governados por uma mulher explodiu, a ditadura da beleza daqueles que querem as mulheres como objetos de marketing saltou, o preconceito religioso e sexual transbordaram e de repente, vieram à forra todos os nossos ancestrais de colonizadores escravocratas, homens que não respeitam as mulheres e as mulheres que não se respeitam, como se estivessem guardados em um baú que foi aberto... é, nós mudamos sim, mas superficialmente, porém, a nossa estrutura ainda é arcaica, escravocrata, mesquinha e cruel.

A vitória veio, mas não terá sentido completa se novos problemas não forem debatidos com a sociedade, enquanto as mulheres não tiverem um real respeito, enquanto os trabalhadores não forem respeitados como cidadãos, enquanto as crianças não descobrirem o que é cidadania...agora o desafio está lançado e aí sim, com sua resolução poderemos gritar com força: Vitória!!!!!