18 de outubro de 2014

Lema do PMDB: ser governo ou ser governo

Por Carlos Alberto - Nominuto

O jornalista Cláudio Humberto informa hoje na sua coluna Diário do Poder que “com o tucano Aécio Neves empatado com Dilma Rousseff na briga pelo Palácio do Planalto, o ex-governador fluminense Sérgio Cabral já se movimenta para desbancar o vice-presidente da República, Michel Temer, do comando do PMDB. O líder do partido, Eduardo Cunha (RJ), sinalizou esta semana apoio a eventual governo tucano e mandou o recado: Temer não conduzirá o partido se Aécio vencer no 2º turno”.

Cláudio Humberto completa a informação dizendo que, “cotado para presidir a Câmara em 2015, Eduardo Cunha já vislumbra o prefeito do Rio, Eduardo Paes, na disputa pela Presidência em 2018.”

Como se observa, o PMDB não sabe mesmo ser oposição. Não à toa o presidente da Câmara, candidato a governador do Rio Grande do Norte, Henrique Alves (PMDB) fica em cima do muro quando o assunto é eleição presidencial. Se queixa de Temer, vice-presidente da República, por Lula participar do programa eleitoral do candidato Robinson Faria (PSD), mas ao mesmo tempo recepciona o tucano Aécio Neves em Natal e diz ser amigo do neto de Tancredo Neves.

Difícil de acreditar que Henrique Alves apoie Dilma Ruosseff na sua candidatura a reeleição, mesmo tendo o primo ministro – senador Garibaldi Alves – que, aliás pediu votos para a vice-prefeita de Natal, Wilma de Faria (PSB), que foi candidata contra a petista Fátima Bezerra. Como pode um ministro do governo do PT pedir votos para uma adversária do partido? Inexplicável isso!

Verdade é que o PMDB já está de malas prontas para desembarcar num eventual governo tucano. Pelo o que diz o jornalista Cláudio Humberto não fica nenhuma dúvida sobre isso. O PMDB joga com duas possibilidades: ser governo no caso da reeleição de Dilma e ser governo num eventual governo de Aécio. Ou seja, o lema do PMDB é ser governo ou ser governo.

A conferir!