23 de dezembro de 2014

A corrupção se enraizou no Brasil

Por Carlos Alberto - Nominuto

O jornalista Lauro Jardim informa em sua coluna, a Radar on-line, que a Procuradoria-Geral da República só começará a investigar encrencas na Eletrobras e outras estatais depois de terminar o caso Petrobras.

– Simplesmente não há braços para tanta falcatrua, diz Jardim.

E tem razão. A corrupção no Brasil se enraizou, diria até que virou uma metástase. e isso não é de agora. Vem desde governos passados. O problema maior está nas indicações políticas para cargos chaves principalmente nas estatais, caso da Petrobras e da própria Eletrobras. Querer culpar apenas os governos do PT por isso é ignorar que políticos corruptos existem em todos os governos e partidos políticos.

O que se espera, a partir do Mensalão e agora com o Petrolão é que políticos e empresários corruptos sejam realmente presos e apodrecem atrás das grades e que o dinheiro surrupiado da Nação volte aos cofres públicos. Do contrário será apenas para inglês ver.

A presidenta Dilma disse neste fim de semana a jornais estrangeiros que o Brasil não vive uma “crise de corrupção” ao comentar as denúncias de irregularidades na Petrobras investigadas pela Polícia Federal na Operação Lava jato. Discordo. O Brasil vive sim uma crise de corrupção, só que não é de agora, como já disse, ela vem desde governos passados. A diferença é que agora se investiga. Antes não!

O Brasil precisa de uma lavagem ética e moral, sobretudo no Congresso Nacional. Falcatruas só ocorrem porque políticos indicam apadrinhados para ocupar cargos chaves em estatais e até ministérios. E por que ocorre isso? Porque os apadrinhados políticos se encarregam de promover licitações viciadas com participações de empresas – construtoras, por exemplo – onde aí saem os gordos percentuais para serem divididos entre empresários, apadrinhados e políticos. Sem falar nas emendas parlamentares individuais. Isso já não é mais novidade, o livro “Nobre Deputado” do juiz Marlon Reis fala sobre isso. Sugiro a quem não leu, ler.

A novidade é que, antes ninguém ia preso, agora vai. Portanto, a operação de estipar a corrupção no país, espera-se, está só começando.