23 de dezembro de 2014

Citado na "Operação Lava Jato", Henrique Alves perde a chance de ser Ministro


Brasil 24/7: O presidente da Câmara dos Deputados, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), não irá assumir um ministério no governo da presidente Dilma Rousseff. 

Segundo o jornalista Ilimar Franco, de O Globo, Dilma informou sua decisão ao vice-presidente Michel Temer (PMDB) na tarde dessa segunda-feira, 22. Em resposta, Temer teria dito assegurado que isso não provocaria nenhum ruído e que o próprio Henrique Alves tinha tomado a iniciativa de pedir que seu nome não fosse apresentado. Avaliou que era o melhor a fazer nas atuais circunstâncias.

"Fui citado absurdamente e concordo com a decisão. A presidente Dilma fez certo. Precisamos que os fatos fiquem esclarecidos. Isso é de meu interesse também", afirmou Henrique Alves.

Na conversa, a presidente Dilma argumentou com Temer que quer aguardar que fosse esclarecido o episódio da citação de Henrique Alves como um dos nomes que teriam sido beneficiados com as irregularidades na Petrobras, investigadas pela Operação Lava Jato. A presidente também enfatizou a importância de Alves permanecer na presidência da Câmara durante a disputa para sucedê-lo. O líder do PMDB, Eduardo Cunha (RJ), concorre contra o ex-presidente da Casa, Arlindo Chinaglia (PT-SP). O deputado Júlio Delgado (PSB-PE) corre por fora tentando se viabilizar.

O veto ao nome de Henrique Alves já havia sido sinalizado por Dilma durante conversa com jornalistas nessa segunda-feira, 22. Quando ela disse que consultaria o Ministério Público queria dizer apenas que não nomearia nenhum dos nomes citados nos vazamentos atribuídos à delação premiada do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa.