4 de janeiro de 2015

Por que o insignificante se torna tão importante?

Reflexões - Por Ionara Nunes

Como mulher, não nego que perco um pouco do meu tempo pensando no modelito do dia, nos sapatos, na roupa adequada, na maquiagem certa, enfim, em como aparecer em determinadas ocasiões. Esse costume também procede em mulheres de outros países, não é exclusividade nossa, mas a importância irracional que damos ao inútil, ao supérfluo, revelam bem como nossa sociedade é concebida, as aparências são muito importantes, ou melhor, importantíssimas.

Certa vez uma certa pessoa com quem convivi por um período em um determinado ambiente de trabalho, ressaltou a importância de mostrar os resultados, se ela tivesse conteúdo para mostrar, seria uma excelente mostra, mas não tinha, iria mesmo fazer o velho jogo de cena, mentir.

É impressionante, como nossa sociedade vive prisioneira do aparente. Queremos parecer mais magros, mais jovens, mais inteligentes, mais humanos, mas de fato não estamos trabalhando para sermos de fato o que queremos mostrar. Um exemplo disso é a classe política que faz uma enorme propaganda mostrando mentiras, que compra a mídia para fazer de sua imagem perfeita e escondendo, é claro, todas as imperfeições.

As nossas fotos não podem mostrar as rugas, gordurinhas, cabelos brancos... hoje todo mundo tira foto com a mesma pose, para disfarçar o que não tem como...

Na posse da presidente, seu vestido foi mais comentado que seu discurso, sua gordura foi mais ilustrada que suas ideias... seríamos nós viciados em juventude e beleza? E o pior, quem comentou sua falta de elegância também é desprovido de tal atributo... o que importa naquela mulher é sua roupa, seu cabelo, seus dentes ou como governará? E por que alguns opositores utilizam de argumentos tão minúsculos para criticá-la?

Seria só um problema de oposição ou na verdade de uma sociedade que valoriza em excesso as aparências em vez da essência? Que importância tem se o prefeito, a presidente ou o governador são belos? O que isso vai causar de impacto em seus governos? Faço humildemente a pergunta: por que damos tanta importância ao sem importância, por que o insignificante se torna tão importante?