17 de fevereiro de 2015

A beleza feminina... em todos os sentidos...

Bem, como mulher, sinto todas as durezas sim em um país preconceituoso e grotescamente machista como o Brasil, mas também sinto a beleza de ser desse gênero. Mulher é a guardiã da vida, isso é muita coisa e talvez por isso seja tão odiada por uns e amada por outros.

Desde os primórdios, a mulher é ovacionada e aprisionada por sua beleza, sim, nascemos lindas, isso é fato, mas se essa linda esconder a sua real inteligência, ela consegue tudo o que quer...

Já ouvi alguém dizer que a mulher não pode mostrar ser inteligente, pois isso espanta os homens, intimida. Qual o problema em uma mulher mostrar saber alguma coisa? Eu não vejo, mas para homens inseguros, e o machismo como expressão máxima dessa insegurança, explica facilmente. A mulher não pode ser inteligente, pois ela já é inquestionavelmente linda, guardiã da vida, do amor, da família, da beleza, da sensualidade e ainda por cima querer ser dona de seu nariz, de sua vida, ter opinião... é querer demais e isso é muito perigoso... isso realmente intimida... mas intimida a quem?

Intimida quem nasceu e cresceu sob a cultura de que precisa apenas ter um determinado gênero e o mundo naturalmente será seu, sem esforço... mas com a modernidade e a emancipação feminina, mostrou que agora é preciso fazer mais, se esforçar, crescer, mostrar valor, ser a pessoa extraordinária que exige dos e das demais... e isso dá muito trabalho...

Agora, vendo o carnaval do Rio de Janeiro, vendo um espaço tão banalizador da figura feminina, vejo também um importante e bonito contraste: as escolas de samba são o que são por causa de bravas senhoras que trabalharam duramente para fazer de suas escolas a maravilha que se pode ver no mundo inteiro. Percebi que a Estação Primeira de Mangueira homenageou as mulheres de sua escola e estendeu para todas as mulheres brasileiras, usando a lindíssima música de Benito de Paula "Agora chegou a vez vou cantar, mulher brasileira em primeiro lugar"... sim, queremos e vamos ocupar o primeiro lugar, sem violência, sem maldade, sem derramamento de sangue, como deusas que somos... e como diz o samba enredo: tem que respeitar...