13 de maio de 2015

PT de Natal não aceitará doação de empresas em 2016

Foto via Site Dep. Fernando Mineiro
Em matéria (manchete) veiculada neste domingo no Novo Jornal, o deputado estadual Fernando Mineiro (PT) reiterou que o PT estadual não pedirá e nem aceitará doações de empresas para suas campanhas eleitorais. A decisão segue resolução divulgada recentemente pela Executiva Nacional que proíbe a recepção de doações de empresas.

De acordo com a reportagem, Mineiro não se incomoda com a possibilidade de ficar financeiramente em desvantagem com relação aos seus possíveis concorrentes nas eleições municipais. Por enquanto, o PT é o único partido que tomou a iniciativa de promover eleições sem ajuda financeira de empresas.

“Nós vamos cumprir essa decisão, é uma decisão acertada. Acho até que seja uma atitude benéfica para nosso projeto para 2016. Mostra o comprometimento e a intenção prática de afastar qualquer possibilidade de corrupção”, disse Mineiro. Ele acredita que não sentirá diferença comparando-se às eleições de 2012, quando conseguiu terminar o pleito em terceiro lugar e quase foi levado ao segundo turno.

Nas últimas eleições municipais, segundo declarou à Justiça Eleitoral, Mineiro disputou a prefeitura com um orçamento de R$ 394,5 mil, bem menos que seus os três adversários que mais gastaram na campanha, como Carlos Eduardo (PDT), que declarou um gasto de R$ 3 milhões, com doações recebidas de pessoas físicas, dos diretórios nacional e estadual, além de algumas empresas como o shopping Via Direta, a Guararapes Confecções e a ATP Engenharia.

Os outros que gastaram mais que Mineiro também receberam algumas doações de empresas. Hermano Moraes disse ter gasto R$ 8,209 milhões e entre as poucas empresas doadoras estão gráficas, o grupo Votorantin e o Banco Itau. Rogério Marinho também recebeu doações de empresas, apesar de poucas. Gastou pouco mais de R$ 1 milhão e entre as doadoras está a Praiamar Empreendimentos.

Já Fernando Mineiro declarou ter recebido a maior parte dos R$ 394,5 mil que usou na campanha em 2012 do Comitê Financeiro Municipal e dos diretórios estadual e municipal, sem nenhuma empresa doadora. “Não vai mudar nada para mim. Já adotei esta iniciativa em 2012 e fiz minha campanha sem empresas ajudando. Agora vamos apenas implementar o que já vem sendo feito”, disse Mineiro.

Em 2014, quando conseguiu se reeleger deputado estadual, Mineiro também não contou com ajuda de empresas, segundo informações da Justiça Eleitoral. Ele gastou R$ 228 mil recebendo recursos da Campanha do presidente do partido no estado, Eraldo Paiva, para deputado Federal; da campanha do hoje governador Robinson Faria (R$ 50 mil); da direção nacional do PT (95 mil), dele próprio e de pessoas físicas.

Medida contribuirá para sobrevivência do PT

A senadora Fátima Bezerra defende que a resolução anunciada e divulgada pelo presidente nacional do PT, Rui Falcão, no último dia 17 de abril, proibindo os petistas de receberem doações de empresas privadas, é coerente com o que já defende dentro do projeto de uma reforma política democrática e vai contribuir para a sobrevivência do partido. “O que pretendemos agora para a sobrevivência do partido é revitalizar a contribuição voluntária, individual dos nossos filiados, simpatizantes e amigos”, disse.

Este foi o caminho apontado pelo presidente nacional da legenda, Rui Falcão, quando disse que o partido passará a estudar novas formas de financiamento em substituição às doações de empresas privadas, que representam parcela representativa da arrecadação de fundos da legenda. Entre essas formas, está o estímulo às contribuições voluntárias individuais de filiados e simpatizantes. A Resolução ainda será referendada no 5º Congresso Nacional do PT, que ocorrerá entre os dias 11 e 14 de junho, em Salvador.

A reportagem procurou o atual prefeito Carlos Eduardo, que preside o PDT e prefere não se posicionar sobre financiamento de campanha no momento. Ele diz que está acompanhando à distância as discussões em torno da reforma tributária e desta proposta.

Matéria na íntegra: www.novojornal.jor.br