13 de julho de 2015

Artigo de opinião: o papel do gestor municipal na prevenção social à criminalidade no município

Tenho acompanhado o debate sobre o caso do menor apreendido duas vezes em menos e 24 horas em Macaíba, e vi que algumas pessoas ligadas a administração achar que o prefeito Fernando Cunha não tem culpa e, como diz o ditado: ‘quer tirar o braço da seringa’. Diante desses argumentos, farei uma breve análise do que o atual gestor poderia ter feito na cidade com o objetivo de resgatar e ter evitado que esses jovens que hoje estão no mundo do crime, fossem atendidos pelas políticas públicas de prevenção social à criminalidade (caso elas fossem realizadas).

Ter dado o mandato de vereador a pessoas comprometidas com o município, os atuais são só se servem da política para manter um status social e retorno a população com projetos sociais pelo salários que ganham praticamente não existe.

Ter equipe nas secretarias que sejam especialistas em gestão pública, os amigos do Prefeito que são nomeados, fazem sua vontade e de seus dois Consultores Familiares, tudo gira e roda e no final, morre na mão dos dois, a política pública para juventude é a que Eles acham que deve ser.

Os Secretários, sempre se perde quando se tem como opinião, pessoas que agradam o Prefeito e os Familiares Consultores, e não o que é melhor para um implantação de uma política pública.

Uma gestão pública tem que ser Eficiente e Eficaz, manter e repetir pessoas em pastas que deveriam produzir resultados para o município igual a iniciativa privada. Tem gente que só resolve as coisas, depois que problema está formado, ai sobra pras costas do Prefeito, que joga pras costas do Secretário, que por ser da família, fica assim mesmo.

O Jovens não tem vez na prefeitura, nunca tiveram, e nunca terão, pois quem tá morrendo, são os filhos dos outros, os dos que estão no poder, estão no shopping, comendo pizza e gastando o dinheiro do contribuinte.

Por Carlos Santos - Senadinho Macaíba