9 de julho de 2015

Como será o amanhã?

Reflexões - Por Ionara Nunes

É visto todos os dias com perplexidade o tamanho do caos que nos rodeia. Em tempos de presidentes, da maior potência do mundo ser negro e da sétima economia do mundo ser mulher, vemos comentários de racismo e machismo que me faz lembrar, quando estudava história no ensino médio, da Idade Média.

O pior de tudo não é isso, mas é ter pessoas ditas esclarecidas que tentam justificar tamanho retrocesso. Inimaginável!

Vivemos uma onda que iludidamente pensei que já não existia, ou que pelo menos fosse pequena, insignificante, pensei que hordas racistas no mundo tinham sucumbido na Segunda Guerra Mundial com a derrota do Nazi-fascismo ou com o fim do Apartheid na África do Sul, porém ao ver na internet os comentários sobre a nova garota do tempo do Jornal Nacional ser negra e ver as palavras absurdas que proferiram gratuitamente contra ela, vejo que este momento não acabou e me preocupa.

Sem contar com as fotografias da presidente sendo estuprada por uma bomba de gasolina... é de uma grosseria que ultrapassa todos os limites da decência... é bestial, horrendo... e isso em tempos de Maria da Penha, de tantas políticas públicas voltadas para as mulheres e de tantas mulheres ocuparem postos de grande importância no planeta.

A única pergunta que não sai da minha mente é esta: qual é o problema dessa gente? Que ameaça uma mulher, negra ou não, pode causar? Por que certos homens ao ver por exemplo, fatores que revelam apenas problemas de ordem administrativa ou política, presentes em homens e mulheres, quando se trata de uma mulher, merece logo ser humilhada em sua sexualidade? E mesmo não havendo problemas, o fato de uma mulher ser negra e estar ocupando um posto importante já merece desses mesmos seres os mesmos comentários de cunho sexual ou agressivos?

Precisamos, mulheres/homens, ver se não estamos educando nossos filhos corroborando o mesmo machismo de que somos vítimas. Afinal quem cria um machista? Ou um racista? É sua tarefa, família, corrigir tantas distorções, tanta bestialidade, pois não adianta, mulher, se esbaldar enquanto solteira e depois que se casa e entra logo para uma denominação religiosa, em nome da moral e dos bons costumes, reproduzir discursos de pura hipocrisia e misoginia.

Isso é sim responsabilidade de quem cria filhos hoje, pois se estamos nessa nuvem negra, significa que nossas crianças receberam ensinamentos para se tornarem monstros machistas e racistas... cuidemos imediatamente do hoje, pois não sabemos como será o amanhã...