5 de agosto de 2015

Quanto vale o presidente da Câmara Municipal de Macaíba para Você? Quanto ele vale para Fernando Cunha?


Em recente sessão na Câmara de Vereadores de Macaíba, o presidente da Casa Gelson Lima abriu o verbo, deflagrou toda sua verborragia, justificando para os agentes de saúde que estavam presente, demonstrando que o descaso, desmando e a irresponsabilidade com a categoria e população em geral, seria culpa do governo federal e dos petistas.

Os agentes de saúde reivindicam de forma legitima melhorias de salários e condições dignas de trabalho, por isso estão nas ruas denunciando a gestão do Senhor do Jaleco. A pauta de reivindicação é municipal, trata-se da saúde em âmbito local.

No entanto, a recente sessão que deveria servir para debater os problemas e buscar solução, levada à gestão via o legislativo municipal, foi palco de um espetáculo do presidente Gelson Lima, eleito por um partido fisiológico denominado de PROS, o mesmo partido do atual prefeito Fernando Cunha, também do PROS. A interpretação da sigla, ou nome fantasia fica por conta da criatividade e imaginação dos leitores.

Diante disso, o que chama atenção é o ato irresponsável de atribuir a outras instancias atribuições do Município. Do contrario, o que justificaria uma prefeitura e uma câmara municipal na cidade? Atitude típica dos incompetentes, além disso, o presidente da câmara zomba da inteligência dos trabalhadores, colocando-os nas mesmas condições de seus eleitores, iludidos e manipulados.

Quando tomei conhecimento do pronunciamento do nobre Vereador, Vossa Excelência, Presidente da Câmara Municipal, fiquei a me perguntar. Para que serve este vereador? Quanto vale um vereador deste naipe para você? Quais são os seus relevantes serviços prestados a sociedade macaibense? Quantos e qual a importância dos seus projetos de lei apresentados e aprovados?

Talvez a única Lei que o vereador tenha posto em prática, para fazer um trocadilho, tenha sido a Lei de Gérson, a obsessão de obter vantagem em tudo de forma indiscriminada, sem compromisso, nem ética, eximindo-se de tudo, transferindo a responsabilidade para os outros. Pois muito bem! Não é mera coincidência.

Observando os atos de Gelson Lima do PROS, é possível fazer um paralelo com conceitos da biologia, especificamente, do reino PROtista,  são seres vivos unicelulares cuja célula possui núcleo organizado, ou seja, está separado do citoplasma pela membrana nuclear. Podem viver como parasitas ou ter vida livre, habitando os mais variados tipos de ambiente. Como parasitas do homem e de outros seres vivos, podem causar muitas doenças, levando-os a morte. Com base, nessa analogia é possível dizer que figuras assim, é corresponsável por todas as mazelas sofridas pelas famílias que vivem em Macaíba.

Representante do povo que não faz jus ao salário e privilégio que recebe, não merece ocupar o espaço ao qual foi eleito. É preciso mais participação do povo para cobrar atitude qualificada que requer a um presidente do legislativo municipal.

O discurso do vereador desinforma, subestima o povo ali presente e ainda reafirma os danos causados ao povo de nossa cidade. Gelson Lima, vomita frases “celebres” numa Câmara municipal, entregue aos interesses do prefeito, tudo aquilo que Fernando pensa em relação ao movimento dos agentes de saúde.

Depois, tenta desviar o foco do debate. Sabe-se que o Protozoário é uma espécie de parasita, não tem escrúpulos, nem coerência, ao mesmo tempo em que põe a culpa dos seus desmandos no PT e no governo Dilma, vivem desesperadamente correndo aos pês da senadora Fátima Bezerra, que por coincidência também é do PT.  Cala a boca Gelson.

Por Marcos Souza