13 de novembro de 2015

Minha homenagem a Samarco-Vale, essa grande mineradora

Por Rafaella Dotta
[Texto extraído da sua rede social]

Fiquei decepcionada com a forma como a empresa, depois de cometer um dos maiores crimes socio-ambientais do Brasil, ainda tem cara pra esconder informação como esta fazendo. E isso não é só pra imprensa não. Prefeituras, defesa civil, equipes de resgate e principalmente pros familiares.

Visitamos uma comunidade atingida, que recebeu uns 3 metros de altura de lama, e o povo só se salvou pq revezaram vigia durante a noite. Mas a Samarco horas antes: "a lama não chegara até aí". 

Diversos e diversos parentes tiveram que vir quebrar o pau em Mariana pq do telefone todo mundo só enrolava.

Mais: mesmo aquela mulher moradora de Mariana só conseguiu conferir o nome de seu marido na lista de desaparecidos depois de 2 dias e muito escândalo. 

Até agora, nada de esclarecer o número de pessoas desaparecidas. 

Boatos o tempo todo de corpos encontrados. Nao se sabe se verdade ou nao, mas depois de dias acabam confirmados. Pq essa demora em divulgar os mortos?

Sem contar a confusão com as informações sobre alarme, a toxicidade da lama, o motivo do estouro das barragens, sobre a suspeita de estourar a terceira. 

Aqui em Mariana o povo esta sob tensao. Nas 19 cidades que a lama passou as populaçoes estao em calamidade - sem agua por tempo indeterminado.

O que falta para exigir que essa empresa comece a liberar informações??
O minimo que os atingidos merecem é ter a dignidade de saber a verdade. O mínimo.

Mas, ao contrario, em Mariana a Samarco-Vale segue tendo acesso irrestrito aos hoteis dos atingidos, a blindar e vigiar pessoas que querem fazer denuncias a imprensa, o diretor acha-se na prepotência de responder as perguntas dos jornalistas com ironia. Situaçoes lamentaveis.

Como diz Laura Capriglione, é o bandido cuidando da cena do crime...

Leitura complementar: As notícias do crime de Mariana