9 de dezembro de 2015

O Mercado Macaibense de Notícias

Quem poderá conquistar a bela verdade?
Por Maxson Savelle*

Atualmente, Macaíba conta com mais de 10 Sites/blogs prestando informações à população dos mais variados assuntos. Questiono-me se eles estão atendendo os leitores com informações importantes, ou se foram criados para servirem de cavalo de Tróia, isto é, entregando aos leitores, como forma de notícia importante, o que há de mais fútil e supérfluo na sociedade. Por se administrador do Cidadão Macaibense, faço-me constantemente as seguintes perguntas:

1- A verdade dos fatos está sendo transmitida com lisura à população?
2- As publicações feitas pelo site são, realmente, importantes para a população?
3- As críticas e difamações devem ser rebatidas na mesma moeda ou analisadas pacientemente com vias de evitar conflitos futuros e seguindo o caminho da informação?

Há mais de três anos trabalhando com mídia alternativa, não tenho dúvidas que o papel da imprensa macaibense deveria ser informar corretamente os cidadãos. Temos, em nossas mãos, uma ferramenta que influencia a vida de todos: informando, cobrando direitos, alertando deveres, ajudando o cidadão e formando a opinião pública municipal.

A imprensa conservadora de Macaíba faz um jornalismo de combate, fazendo com que a imprensa pequena, que representa o povo, entre também nesse combate de "informações". Muita coisa se perde nessa confusão, principalmente quando o leitor encontra mais picuinha (“Disse! Me disse!”) do que informação e cidadania. Esses leitores tendem a ficar alienados com apenas duas visões de sociedade, e acabam colocando na mente que o site X é mais verdadeiro do que o Y. Sendo que ambos os sites promovem um debate fanático, pequeno e miúdo, as vezes causando repulsa nos próprios leitores.

“Museu de miudezas efêmeras” _ Jorge Luis Borges

Existem ainda os que trabalham com o chamado “Jornalismo Declaratório”, baseado em “alguém falou alguma coisa”. Esse tipo de atitude “Fulano falou” é muito comum e confortável. Entretanto, publicar matérias sem antes investigar sua veracidade é um erro. A declaração de Fulano ou Sicrano – falas e atos que não merecem a atenção do cidadão –  acaba tomando o lugar de matérias de fato importantes.

Títulos sensacionalistas até podem chamar a atenção dos leitores, mas o conteúdo das matérias deixa o leitor completamente desapontado, pois o título vendeu uma coisa e o texto entregou outra, frustrando as expectativas do leitor.

“Viciam o leitor em escatologia” _ Luiz Nassif

Assim, passam anos e anos e a sociedade não evolui. Não se percebe como um cidadão com direitos e deveres, que merece ter acesso a informações importantes. Sim, com toda a certeza, existe sites/blogs vendidos, outros em cima do muro e outros ao lado do povo. No entanto, quem pode apontar o dedo e dizer quem é quem?

Cabe aos leitores procurar a informação e tirar suas próprias conclusões. Ler, refletir e questionar – sobretudo questionar – pois NENHUM SITE É DONO DA VERDADE.

“A boa reputação da verdade se foi desde que o dinheiro, este vil dinheiro, passou a ser o único valor” (Bem Jonson).

_________________________
- * Maxson Savelle A. Silva - Adm Site Cidadão Macaibense
- Texto com trechos do documentário “O Mercado de Nóticias”, baseado na peça “The Staple of News” de Bem Jonson (1625)