25 de janeiro de 2016

A escola pública que não queremos ver

Por Ligia Silva

A Escola é o lugar no qual passamos a maior parte de nossas vidas. Nela fazemos amizades duradouras, desenvolvemos potencialidades e temos os piores traumas. Falar de uma vida cheia de experiências sem falar de escola é como não ter vivido uma boa parte de nossa vida – pena que algumas pessoas não tiveram o prazer de viver na escola todas as suas descobertas.

Ao falar em educação estamos acostumados a enaltecer, apenas, o ensino privado. Claro que, na maioria das vezes, as escolas particulares dispõe dos melhores livros, das melhores salas e, talvez, dos melhores professores. Entretanto, existe uma escola no Brasil que não queremos enxergar.

Não estou falando da escola onde os professores são mal remunerados, onde salas são escuras e as carteiras quebradas, estou falando da escola pública que apresenta resultados. a escola do ensino médio de professores comprometidos, de alunos que se destacam e de projetos pedagógicos exemplares. Mas por que não conseguimos ver essa escola modelo? Porque estamos ocupados demais procurando defeitos.

Segundo o Inep, as escolas que obtiveram melhores rendimentos em 2014 foram as escolas publicas. Dentre elas, uma escola do Ceará, em que a maioria dos alunos é pobre, ficou no topo da lista.

Ano passado, alunos de uma escola publica em Cocal dos Alves, no Piauí, se destacaram nas Olimpíadas Brasileiras de Matemática. Foram, nada mais e nada menos, 234 alunos, sendo que uma garota ficou em primeiro lugar num concurso de robótica.

Mostro esses fatos, porque estamos acostumados a olhar a escola pública com desprezo: não queremos matricular nossos filhos porque é de graça. Na realidade, nada é de graça. Pagamos impostos. Somos nós que pagamos as carteiras, a merenda, etc. Eis uns dos maiores motivos para a escola pública no brasil não dar certo: a escola é nossa, é pública, mas não acreditamos nela.

Apesar disso, é cada vez maior o número de alunos de escolas públicas, muitos deles moradores da periferia, que têm obtido destaques no Enem. Filhos de faxineira, catadores de lixo, operários, etc. estão passando em processos seletivos das Universidades Federais para os cursos mais concorridos, como medicina, engenharia, direito, etc.

Para esses, não tem homenagem com nome em faixa de cursinho famoso, em carro de som ou em propaganda de TV. Para eles, a homenagem é o apoio e a emoção da escola e da família.

Por isso, gostaria de usar este espaço para parabenizar dois macaibenses, Wender Garcia e Vanessa Gomes, que estudaram em escola pública e foram aprovados em primeiro lugar nos seus respectivos cursos, quais sejam, Agronomia e Letras-espanhol.

Parabéns meus amigos! Obrigada por representar a Escola Pública de Macaíba e mostrar que é possível, sim, triunfar apesar das adversidades.


Wender Garcia, 1º lugar em Agronomia pela UFPB
Vanessa Gomes, 1º lugar em Letras-espanhol pela UFRN