21 de março de 2016

Uma distinção que me honra

Maxson Savelle e Anderson Tavares
O prêmio “Título de Cidadão Macaibense”, concedido pelo site Cidadão Macaibense, que tem a sua frente uma plêiade de jovens visionários macaibenses e macaibistas, que buscam um diálogo permanente com a cidade e seus munícipes, surgiu em 2015. Trata-se de homenagem nova, de gente nova, com concepções novas. É uma forma de distinção legitima e impregnada pela observação popular, visto que os seus merecedores são as pessoas comuns, do dia a dia da cidade, macaibenses, macaibistas ou macaibeiros, pessoas interessadas em contribuir para o desenvolvimento da cidade, proporcionando um ambiente favorável para a maioria das pessoas que residem em Macaíba.

No último sábado, dia 12 de março, fui distinguido juntamente com outras pessoas, com um certificado de reconhecimento “pelos relevantes serviços prestados a nossa cidade, no resgate histórico da mesma e pela realização, sendo presidente do Instituto Tavares de Lyra, do I Encontro de História de Macaíba”. Confesso que me surpreendi com a homenagem. Toda a minha pesquisa histórica destina-se a entender a minha terra e a minha gente.

Desde os meus 13 anos de idade que busco, pesquiso, converso com os mais velhos, ouço o povo na convivência harmoniosa e simples. E, através desse trabalho, tenho sido distinguido com reconhecimento em forma de comendas, diplomas e certificados até em alguns estados da federação. Nunca divulguei nada, não faço alarde, pois que vejo nas homenagens uma consequência natural de um trabalho desinteressado.

Contudo, a homenagem que o site Cidadão Macaibense me prestou, tocou-me profundamente por tratar-se do primeiro reconhecimento da minha terra. Foram os macaibenses, que já me parabenizam sempre, a dizer-me que siga em frente com meu propósito de não deixar perecer a memória da nossa terra. E o melhor, são os jovens da Macaíba de hoje, tão audaciosos e sonhadores como o foram os do passado. Entre os quais destaco: Maxson Savele, Edeilson Morais, Ligia Silva, Jefferson Lázaro, Jéssica Macedo, Kefren Silva, Rafael Galvão, Franklin Lemos, Ionara Nunes e outros tantos que me fogem a memória orgulhosa de todos.

São jovens inconformados e que não esperam ajuda oficial ou pública, como esperou erroneamente a minha geração e que hoje paga um preço altíssimo não podendo desenvolver o seu trabalho em nossa terra. Aos jovens de Macaíba o meu reconhecimento! Peço a todos que continuem o seu destino histórico de inconformidade e peço que a única certeza que os guie seja o amor e o devotamento por nossa querida cidade de Macaíba. Muito obrigado.

Por Anderson Tavares