16 de novembro de 2017

Alta Voltagem: Vereadores comentam sobre a operação em Macaíba


Na sessão da câmara municipal realizada na ultima terça-feira (14), alguns vereadores comentaram sobre a operação Alta Voltagem realizada no dia 01 de Novembro na Prefeitura de Macaíba. Os vereadores divergiram em alguns pontos, destacando principalmente a forma que a operação realizada. O ver. Dr. Antônio abordou o tema seguido por Denílson Gadelha e Emídio Júnior.

Confira abaixo, um resumo da fala de cada vereador. Para ouvir na íntegra Click Aqui

Ver. Dr. Antônio:
"[...]vou fazer aqui algumas considerações, nenhum juízo de valor de A ou de B, apenas dentro daquilo que eu entendo que as coisas devem caminhar. [...]Presunção de Inocência! todo cidadão é inocente até que se prove o contrário, já ouvi algumas declarações condenando, chamando de ladrão etc. Alguém foi condenado? Condenação! Culpado para a lei é aquele que foi julgado e que não cabe mais defesa, julgado em última instancia, só assim ele passa a ser considerado culpado pela lei. Enquanto isso ele pode ser investigado, pode ser condenado".

Sobre a forma que a operação foi realizada:
"[...]essa é a minha opinião, apenas algumas considerações que estou fazendo sobre ela, se está certa ou errada não sou eu que vou dizer, mas, assim, muita encenação, policiais usando metralhadoras e escopetas como se estivesse de repente atrás de um mega traficante, um cara que pudesse oferecer um risco [...]para vir na prefeitura atrás de um computador ou documento basta vir com dois ou três policiais com as suas armas."

"[...]faz toda aquela encenação, chama a imprensa, faz coletiva, faz condução coercitiva como se algum secretário estivesse se negando a depor. [...]vamos respeitar a lei também minha gente, pelo amor de Deus, como eu disse aqui e repito "Promotor! Juiz! é igual a gente, ser humano está sujeito a erros". (O Ministério Público) não é dono da verdade, pode até chegar a ela, mas não é dono da verdade, chegar obedecendo os princípios legais, os princípios constitucionais. [...]temos visto muito excesso, ou seja, você é condenado muitas vezes sem ter culpa [...] a condenação que me refiro é a condenação pública, ai você prova que é inocente e o desgaste a sua imagem fica lá. 

"[...]eu vejo muitos exageros, muito jogo de cena em algumas operações, nas quais eu coloco a que ocorreu aqui em Macaíba. Não estou aqui criticando o Ministério Público de maneira geral, estou me referindo a uma operação aonde eu vi coisas desnecessárias, coisas alardes desnecessárias para se levar três, quatro caixas e dois computadores"
__________________________
Ver. Denílson Gadelha
Sobre a presunção de inocência:
"[...]O principio da presunção de inocência foi quebrado sim, pela suprema côrte do país, quando decidiu que condenado em segunda instância tem que responder preso. [...]a impunidade é gigante e as vezes a morosidade da justiça nos casos de corrupção se assemelham a impunidade. [...]as coisas mudaram, quantos medalhões não estão respondendo presos?. O interessante é que há quinze dias atrás eu vi essa casa elogiando o Ministério Público [...] agora o Ministério Público é arbitrário?"

Sobre a forma que a operação foi realizada:
"[...] tem que ser feito assim mesmo, porque tinha gravação que dava conta de vinte mil de propina [...] operação decente é assim mesmo, com homem armado, é com caminhão recolhendo tudo, rascunho, papel, computador, depoimento, delação premiada. A verdade tem que vir a tona rapaz [...] tem que se investigar mesmo, a verdade dói é dura mais tem que ser dita, doa a quem doer".
_________________________
Ver. Emídio Junior
Sobre a forma que a operação foi realizada:
"[...] no meu entendimento quem surrupeia, quem leva o dinheiro público é pior do que o traficante, porque está levando o dinheiro da iluminação pública, da saúde, da educação, para se investir em segurança pública. E com relação as escutas telefônicas, o Ministério Público não iria deslocar dezesseis promotores e não sei quantos policiais a toa não, eles vieram só consolidar aquilo que eles já começaram a investigar a um certo tempo, consequentemente buscar maiores evidencias para dar uma pancada segura [...] eu tenho certeza que em breve será punido e apontado os culpados [...] o Ministério Público fez uma ação muito boa, demorou mais chegou com eficiência."