28 de abril de 2019

DIRETORES DE ESCOLAS EM TEMPO INTEGRAL DO RN SE ORGANIZAM EM DEFESA DO MODELO E COBRAM APROVAÇÃO DO PROJETO DE LEI


Os gestores das escolas de Ensino Médio em Tempo Integral estão cobrando do Governo do Estado agilidade na aprovação do Projeto de Lei complementar n.º 214/2018-GE, que regulamenta a modalidade de ensino no RN, já oferecido desde 2017.  O PL encontra-se na Assembléia Legislativa, desde 4 de julho de 2018, mas foi retirado de pauta sob a justificativa que precisava de análise, sendo encaminhado para correções de alguns itens, mas desde então não avançou dentro da Casa.

A matéria cumpre uma exigência do Ministério da Educação (MEC), que, em 2017, fixou o prazo de três anos para que os estados publicassem regulamentação sobre o tema.

Reunidos, no último dia 26 de abril de 2019, numa formação do ICE (Instituto de Corresponsabilidade pela Educação), ocorrida no Instituto de Educação Superior Presidente Kennedy e na Escola Estadual Professor Edgar Barbosa, os gestores das 40 escolas em tempo integral sentiram a necessidade de criar uma comissão para agendar uma audiência com o secretário de Educação, Getúlio Marques, para debater como ficará a situação das escolas em tempo integral no Estado.

Conduzida pelo professor Luiz Gonzaga Oliveira Filho, diretor da Escola Estadual em Tempo Integral Clara Teteo, a reunião serviu para esclarecer aos demais gestores das escolas que passaram a ser integral neste ano sobre a situação atual e garantir que não haja desmonte do modelo pedagógico da “Escola da Escolha”, do ICE, que vem apresentando resultados satisfatórios para a educação potiguar nas escolas em tempo integral do RN.

“Já foi comprovado que o modelo da Escola da Escolha proporciona resultados significativos para nossos alunos, além de ser as escolas que mais aprovam no ENEM”, defendeu um dos gestores, acrescentando que também educa o estudante a buscar seu projeto de vida, a tornar seus sonhos em planos, deixando-o autônomo, solidário e competente.

A Escola da Escolha oferece uma metodologia exitosa que fortalece a aprendizagem nos conteúdos da BNCC (Base Nacional Curricular Comum), e dentro de sua rotina garante o monitoramento da aprendizagem do aluno, proporcionando-o nivelamento dos conteúdos não aprendidos. Além disso, o modelo oferta formação continuada para a equipe escolar. Os professores recebem gratificação para permanecerem numa jornada de 40 horas semanal. Um outro ponto abordado na reunião foi o fato dessa gratificação não se estender aos gestores, os quais ficam com uma grande demanda de trabalho. O gestor escolar é o responsável por todos os resultados, indicadores, documentos, prestações de contas, processos pedagógicos, entre outros.
  
Na ocasião, foi criada uma comissão para encaminhar as reivindicações da categoria para a Secretaria de Estado da Educação e da Cultura (SEEC), que ficou definida com os seguintes nomes: Francisco Ferreira Dantas Junior (gestor da EETI José Francisco - Poço Branco/RN), Cláudia Dantas Cartaxo Soares (EETI Winston Churchill - Natal/RN), Luiz Gonzaga Oliveira Filho (EETI Professora Clara Teteo - Macau/RN), Rômulo Estanrley Souza de Medeiros (EETI Alfredo Mesquita Filho - Macaíba/RN), Vanúsia Leandro Avelino (EETI Hilton Gurgel de Castro - São José de Mipibu) e Túlio Gabriel Dantas Cortês (EETI Professora Iracema Brandão de Araújo - Acari/RN).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tenha consciência do que você vai comentar.