12 de agosto de 2021

Pediatra do ISD alerta para surto da doença ‘mão-pé-boca’

Ruy Medeiros - Foto: ASCOM ISD

Uma doença comum no verão e no outono brasileiro está chamando atenção de pais de crianças em idade escolar no Rio Grande do Norte. Transmitida pelo vírus Coxsackie, a doença provoca lesões nas mãos, pés e boca, daí o nome pelo qual é conhecida: “mão-pé-boca”. Em cidades como Natal e Macaíba, na região metropolitana, o preceptor médico em Pediatria do Instituto Santos Dumont (ISD), Ruy Medeiros, confirma o surto da doença. Na capital, algumas escolas chegaram a suspender as aulas do Ensino Infantil como maneira de mitigar o avanço da contaminação entre os alunos.

“A gente chama de síndrome ou doença mão-pé-boca. Ela acomete, principalmente, crianças menores de cinco anos. É uma doença transmitida por via direta ou indireta. Os principais sintomas são os inespecíficos, como vômito, náuseas, diarréia. Mas a principal apresentação clínica é na forma da febre e de lesões no corpo. Essas lesões são do tamanho de grãos de arroz, que acometem, principalmente, mãos, pés e boca”. O especialista ressalta, no entanto, que elas podem acometer outras partes do corpo, como joelhos, genitália e nádegas. “Essas lesões vão evoluindo e se tornando pequenas feridinhas. Quando essas lesões acometem a boca, podem causar muita dor e dificuldade para deglutir. As lesões no corpo podem causar dor, também, e coceira. É uma doença extremamente transmissível entre as crianças. A gente tem observado surtos em Natal e Macaíba, mas também em vários locais do Estado”, completa o pediatra.

Para a doença, não há tratamento específico. Ela surge e desaparece, na maioria dos casos, entre cinco e sete dias contados a partir dos primeiros sintomas. O ideal é que, nesse período, os pais e responsáveis pelas crianças evitem levá-las à escola e locais com grande circulação de pessoas. A doença mão-pé-boca é altamente contagiosa. De acordo com Ruy Medeiros, o tratamento é feito conforme os sintomas. Se há dor e febre, por exemplo, são ministrados medicamentos que irão aliviá-los, como os analgésicos. Caso as lesões agravem, a orientação é pelo uso de antibióticos.

Conforme o preceptor médico em Pediatria Ruy Medeiros, o surto dessa doença se caracteriza pela velocidade da transmissão. “O período de transmissão da doença pode anteceder o aparecimento das lesões. Algumas crianças, antes de apresentarem sintomas, já podem transmitir. Surto é quando se tem um número de casos maior que o esperado, extrapolando o limite da média esperada. Em pequenas localidades com crianças confinadas em ambientes muito fechados, como escolas, a transmissão é muito rápida”, ressalta.


Alerta

Ruy Medeiros faz um alerta aos pais e gestores de escolas em geral, mas principalmente as públicas, que se preparam para a retomada das atividades presenciais. “A gente pede que pais que tenham crianças com sintomas, como febre e lesões no corpo, suspendam a aglomeração dessas crianças, quer seja na escola ou com outras crianças da mesma idade, para evitar a transmissão”, declara o pediatra. A doença mão-pé-boca é comum na infância, com poucos casos registrados em adultos. Os pais devem ficar atentos, ainda, ao correto diagnóstico. A doença é comumente confundida com sarna e escabiose.

“Assim que aparecerem os sintomas, procure o serviço de saúde para que se possa ter uma orientação a respeito, se é uma doença grave ou não. Evitar o contato com outras crianças, quando possível. Evitar ida a creches, escolas, locais de muita aglomeração para que se possa evitar a disseminação da doença”, recomenda o pediatra.


Sintomas

– febre alta nos dias que antecedem o surgimento das lesões;

– aparecimento, na boca, amígdalas e faringe, de manchas vermelhas com vesículas branco-acinzentadas no centro que podem evoluir para ulcerações muito dolorosas;

– erupção de pequenas bolhas em geral nas palmas das mãos e nas plantas dos pés, mas que pode ocorrer também nas nádegas e na região genital;

– mal-estar, falta de apetite, vômitos e diarreia;

– por causa da dor, surgem dificuldade para engolir e muita salivação.


A transmissão se dá pela via fecal/oral, através do contato direto entre as pessoas ou com as fezes, saliva e outras secreções, ou então através de alimentos e de objetos contaminados. Mesmo depois de recuperada, a pessoa pode transmitir o vírus pelas fezes durante aproximadamente quatro semanas. O período de incubação oscila entre um e sete dias. Na maioria dos casos, os sintomas são leves e podem ser confundidos com os do resfriado comum.


Recomendações:

– nem sempre a infecção pelo vírus Coxsackie provoca todos os sintomas clássicos da síndrome. Há casos em que surgem lesões parecidas com aftas na boca ou as erupções cutâneas; em outros, a febre e a dor de garganta são os sintomas predominantes;

– alimentos pastosos, como purês e mingaus, assim como gelatina e sorvete, são mais fáceis de engolir;

– bebidas geladas, como sucos naturais, chás e água são indispensáveis para manter a boa hidratação do organismo, uma vez que podem ser ingeridos em pequenos goles;

– lembre-se sempre de lavar as mãos antes e depois de lidar com a criança doente, ou levá-la ao banheiro. Se ela puder fazer isso sozinha, insista para que adquira e mantenha esse hábito de higiene mesmo depois de curada;

– evitar, na medida do possível, o contato muito próximo com o paciente (como abraçar e beijar);

– cobrir a boca e o nariz ao espirrar ou tossir;

– manter um nível adequado de higienização da casa, das creches e das escolas;

– não compartilhar mamadeiras, talheres ou copos;

– afastar as pessoas doentes da escola ou do trabalho até o desaparecimento dos sintomas (geralmente 5 a 7 dias após início dos sintomas);

– lavar superfícies, objetos e brinquedos que possam entrar em contato com secreções e fezes dos indivíduos doentes com água e sabão e, após, desinfetar com solução de água sanitária diluída em água pura (1 colher de sopa de água sanitária diluída em 4 copos de água limpa);

– descartar adequadamente as fraldas e os lenços de limpeza em latas de lixo fechadas.

Fonte: Ministério da Saúde


SOBRE O ISD

O Instituto Santos Dumont é uma Organização Social sem fins lucrativos vinculada ao Ministério da Educação. É referência em ensino, pesquisa e extensão em saúde materno-infantil, da pessoa com deficiência, em neurociências e neuroengenharia. O Instituto opera por meio de duas unidades localizadas em Macaíba (RN): O Centro de Educação e Pesquisa em Saúde Anita Garibaldi (Anita) e o Instituto Internacional de Neurociências Edmond e Lily Safra (IIN-ELS).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tenha consciência do que você vai comentar.